1. Será q a errante Kaiser - depois de ser da Coca Cola, da Femsa e agora parte do portifolio da Heineken - ganha uma sobrevida? Afinal a marca holandesa é muito bem conceituada no seu segmento.
A primeira grande alteração q pudemos perceber foi a identidade visual. Não q a antiga fosse boa, mas na minha visão tinha mais propriedade. A nova, em contrapartida, ficou mais masculina. Num universo q é nacionalmente fraco nesse sentido, até q ela se saiu bem.



Além da chancela da marca Heineken, agora traz tb a tagline “A cerveja bem cervejada”. Obviamente é (mais) uma tentativa - assim como aquele horripilante teste cego - de mudar a percepção das pessoas qnto ao gosto do produto.
Realmente não dá pra ter a mínima sobre o q vão conseguir, mas certamente essa (o gosto ruim da Kaiser) é uma percepção tão enraizada na cultura etílica nacional q, mesmo q não seja verdadeiro, vai ser bem difícil reverter - apesar de ainda ter um recall dos bons tempos de liderança no mercado.

    Será q a errante Kaiser - depois de ser da Coca Cola, da Femsa e agora parte do portifolio da Heineken - ganha uma sobrevida? Afinal a marca holandesa é muito bem conceituada no seu segmento.

    A primeira grande alteração q pudemos perceber foi a identidade visual. Não q a antiga fosse boa, mas na minha visão tinha mais propriedade. A nova, em contrapartida, ficou mais masculina. Num universo q é nacionalmente fraco nesse sentido, até q ela se saiu bem.

    Além da chancela da marca Heineken, agora traz tb a tagline “A cerveja bem cervejada”. Obviamente é (mais) uma tentativa - assim como aquele horripilante teste cego - de mudar a percepção das pessoas qnto ao gosto do produto.

    Realmente não dá pra ter a mínima sobre o q vão conseguir, mas certamente essa (o gosto ruim da Kaiser) é uma percepção tão enraizada na cultura etílica nacional q, mesmo q não seja verdadeiro, vai ser bem difícil reverter - apesar de ainda ter um recall dos bons tempos de liderança no mercado.

Notes

  1. garimpodeideias posted this